4 Estratégias para deixar de vender e NÃO VER a cor do dinheiro


Vender e não ver a cor do dinheiro é um problema recorrente no varejo brasileiro.

Grande parte dos empresários só percebem os seus efeitos ao final do mês – quando o problema já se alastrou.

Você já vivenciou essa situação no seu comércio e o mais importante, está em busca de resolvê-lo?

Venha comigo, pois neste post, irei mostrar como sair desse caos financeiro!

Porque vendi e não vi a cor do dinheiro?

Para você ter noção do quão recorrente é esse problema, a grande maioria dos nossos clientes nos procuram por esse motivo.

Todos os dias recebemos avaliações de pessoas que vendem e não vêem a cor.

A elevada frequência se dá pelo fato de 89% dos negócios possuírem alguma dificuldade com precificação ou não têm noção do seu capital de giro – dado levantado pelo Preço Certo, em pesquisa com mais de 10 mil lojistas.

Com base nessa realidade, podemos supor duas possíveis causas de você estar vendendo e não vendo a cor do seu dinheiro ao final do mês: a sua lucratividade e o seu capital de giro.

Capital de Giro: O combustível do negócio

Sabe aquela venda feita parcelada em 12X? Ou aquela compra feita em larga escala de mercadorias, só porque o seu fornecedor lhe deu um desconto à vista?

Se você se lembrou de alguma situação parecida, tenho quase certeza de que você não está gerando caixa por conta do seu capital de giro estar super elevado.

E o seu lucro não está conseguindo acompanhar…

Para introduzir bem brevemente esse indicador para você, pense no combustível do seu carro.

Pessoa abastecendo seu automóvel

Agora visualize, quando o combustível do automóvel acabar ou estiver quase no fim, será preciso encher o tanque novamente, concorda?

Pois bem, o capital de giro de um negócio é nada mais que o capital (combustível) necessário para manter a operação da empresa – assim como no exemplo, o seu carro funcionando.

Para finalizar, quando falamos em excesso de parcelamento nas vendas, estoque sobrando ou pagamentos feitos a fornecedores à vista, estamos impactando diretamente no caixa do seu negócio.

Acredite, aqui no Preço Certo, houveram casos onde conseguimos diminuir a necessidade de capital de giro de um negócio em mais de R$ 100 mil em um mês.

Esse case de sucesso só comprova o quanto esse indicador é perigoso…

Lucratividade: O lucro obtido para cada real vendido

Para nós do Preço Certo, essa é a exata definição desse indicador. A lucratividade é a parcela do seu faturamento que vira lucro líquido.

Caso você não saiba de cabeça a quantia de lucro gerado a cada real vendido, muito provavelmente, o seu negócio possui um problema relacionado à margens e processos.

Na maioria das vezes, esse problema ocorre por conta dos famosos indicadores de vaidade – indicadores de ego, que mascaram a real situação do negócio, como o faturamento, por exemplo.

Por fim, um fator agravante desse problema é a ineficaz formação de preços – responsável direta pelo seu lucro.

Preços de um cinema

Acredito que nesse momento, tudo possa estar mais claro e pensando nisso, te mostrarei algumas formas de começar a ver a cor do dinheiro!

4 Estratégias para vender e VER a cor do dinheiro

De todos os casos que a nossa assessoria presenciou, separei ótimas práticas que ajudaram os nossos clientes a gerar lucro.

Para isso, vale lembrar que é necessário apurar todos os dias os indicadores do negócio para verificar os resultados gerados.

Caso contrário, podemos supor soluções de problemas que não se aplicam.

Como por exemplo, houve casos de clientes nossos reclamando de vender, vender, vender e continuar não vendo a cor do dinheiro… e após verificarmos, foi diagnosticado que as finanças pessoais e da empresa estavam juntas…

Bem, vamos ao que interessa!

1. Reveja a sua formação de preços

Assim como comentado ali em cima, o seu preço de venda é responsável direto pelo lucro do seu negócio.

E esse lucro, por sua vez, é o responsável em gerar caixa – responsável pela segurança financeira da empresa.

Assim, quando falamos em vender e não ver a cor do dinheiro, queremos dizer que não geramos lucro suficiente para gerar caixa, ou seja, há algum erro de margem.

Agora, caso você utilize um markup qualquer ou realize uma precificação baseada na sua concorrência, peço que reveja todo esse processo e comece a adotar uma precificação saudável e clara.

Ao final deste post, deixarei um treinamento capaz de te ajudar nesse processo, mas até lá, aqui embaixo você encontrará uma calculadora de formação de preços.

Juntos, os seus conhecimentos de precificação estarão em um nível elevado e eficiente!

Calcule agora o seu preço de venda

2. Negocie prazos de pagamento a fornecedor

Sabe aquelas vezes onde compramos com pouco prazo do fornecedor ou à vista, só porque ele nos fez um desconto para compras em grande volume?

Na maioria das vezes você entra nessa lógica para “economizar”, mas ao final do mês, aquela mercadoria não foi vendida.

Em outras palavras, o seu capital em forma de produto, ficou congelado.

Ganhar um pouco de margem em desconto, pode não ser tão interessante.

Por isso, analise possibilidades de pagar o seu fornecedor em prazos mais elevados e verifique a viabilidade dos descontos oferecidos em relação ao final de cada mês.

Na próxima dica, falarei sobre a quantidade ideal a ser comprada, mas por aqui, podemos concluir que pagar à vista ou com prazo menor, irá turbinar o seu capital de giro.

3. Analise o seu giro de estoque

Bem, para começarmos a ver a cor do dinheiro, precisamos repensar toda a política de compras feitas no negócio – a fim de verificar o que é essencial e o que não é, concorda?

Com essa ideia em mente, reveja o tempo em que cada produto fica em estoque – desde o momento da compra da mercadoria até o momento da venda, ou seja, o giro de estoque.

Essa informação te ajudará a ter uma visão mais clara sobre a quantidade necessária de estoque, a fim de comprar apenas o necessário.

Fizemos um post sobre isso, falando sobre o cálculo de todas as despesas no processo de venda.

Caso você fique com alguma dúvida ou queira saber mais sobre essa métrica, este conteúdo se encontra no nossos Guia de Gestão de Estoque. Confira!

Organize o seu estoque corretamente

4. Utilize políticas alternativas de recebimento

Acredito que você deva lembrar, ao início do post, das três métricas do capital de giro: tempo de estocagem, prazo de pagamento de fornecedor e recebimento de clientes.

Até agora, tratamos as duas primeiras e neste momento, vamos focar na última.

Trabalhando essas três métricas, juntas e ao mesmo tempo, te garantirá resultados a curto, médio e longo prazo.

A ideia central dessa métrica é adiantar os recebíveis, assim você conseguirá garantir que o dinheiro da compra caia em sua conta o quanto antes.

Políticas como: antecipação de recebíveis, parcelamento em poucas vezes, descontos para pagamentos à vista, promoções, transferências bancárias e débito farão o dinheiro entrar em caixa em pouco tempo!

Conclusão

Vender e não ver a cor do dinheiro é sim, um problema muito grave em todo negócio, mas não é o fim do mundo.

Por mais problemática que essa situação possa parecer, com ferramentas práticas e conhecimento aplicado em cima, é possível colher bons resultados o quanto antes.

Como podemos ver, o processo de precificação e análise de indicadores financeiros é vital para o crescimento saudável de todo negócio.

Você pode conversar gratuitamente com um dos nossos consultores, conhecer o nosso sistema de precificação e avaliar o seu negócio.

E como prometido – deixarei o nosso treinamento para sair desse caos financeiro!

 

 

Conteúdos Relacionados com Gestão

 

Capital de giro: qual a sua importância e como organizá-lo?

Você faz a rotina do setor financeiro de forma certa?

O que é CMV e como posso calculá-lo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.