Artigo, Ninja Financeiro

Precificação de produtos: como tornar eficiente?

20/07/2017

Precificação de produtos

A precificação de produtos na sua empresa é simples e eficiente?

Necessário para longevidade do seu empreendimento, a precificação é nada menos que fazer uma análise profunda de formação de preços que faça a aliança de competitividade, atratividade e lucratividade.

Agora, tal processo pode se tornar eficiente e mais lucrativo para meu negócio?

 

Porque precificação de produtos é tão vital para meu negócio?

Antes mesmo de entrar em qualquer assunto de eficiência, entender que ela é importante é o primeiro passo para dar atenção suficiente para esse processo.

Processo? Sim, precificação não é simplesmente colocar seu preço multiplicado por dois em um guardanapo e esperar ter lucro no final do mês. Ter a gestão de preços competitivos significa se colocar no mercado para ganhar. 

De maneira simplificada, o preço é a representação financeira da proposta de valor do seu produto. Algo que engloba despesas, custos, margem de contribuição, concorrência, impostos, competitividade, etc.

Boa parte das empresas não faz esse processo de forma detalhada, o que seria a mesma coisa que acreditar na inspiração para formar preços corretos e esperar acertar o lucro no fim do mês.

Para exemplificar:

Digamos que você venda 50 cadernos personalizados por mês. Com um custo de R$ 65 reais e um preço de R$ 90 aplicado, considerando 10 dias de pagamento médio ao fornecedor, tempo médio de estoque de 5 dias e o prazo de recebimento da venda médio de 15, você tem uma margem de contribuição de em torno de 19% porém tomando R$ 34 reais de capital de giro unitário, totalizando uma necessidade de R$1790 reais por mês.

Nesse exemplo, há a necessidade de considerar taxa de cartões, impostos, custos fixos, etc para formação de preços. Porém, estamos analisando somente capital de giro. Logo, é importante ter precificação como processo para avaliar esses indicadores para tomadas de decisão.

 

O que preciso em precificação?

Primeiro de tudo, entender que ela faz parte da sua estratégia e vigilância total. Como qualquer empresa que quer crescer, você deve ter seu planejamento estratégico com metas para serem batidas.

O Preço, como espelho da competitividade, do ato de custear despesas e de formar lucro, é peça importante nesse planejamento. Para fazer corretamente, considere:

  • Custo

Agrega todos os pontos necessários para fabricação/ aquisição de produtos, desde a matéria – prima, impostos, custos relacionados ao frete, mão de obra direta do produto, embalagem, brindes.

Mas lembre-se, precificação não vem de custo, e sim da objetivo financeiro do negócio.

Caso tenha alguma dúvida em como formar o custo de seu produto, baixe nossa planilha de Custos de Produto e certifique-se que está com o custo correto.

  • Impostos e Comissões

Os impostos de nossa empresa, bem como as comissões que pagamos a vendedores, marketplaces e demais canais de venda, impactam diretamente em nossa precificação, uma vez que consomem parte do valor do preço de venda.

Estes devem ser levados em consideração na hora de fazer sua formação.

  • Taxa de Cartão de Crédito/Débito/Antecipação de Recebíveis

Além das comissões, é muito importante levar em consideração o quanto de taxa pagamos para as administradoras de cartão e métodos de pagamento.

  • Concorrência

Por mais que o preço deva ser formado analisando a sua estrutura de custos e lucro desejado, é importante estar de olho na concorrência para ter preços competitivos de forma a garantir suas vendas.

Hoje, graças a internet e aplicativos, todo cliente está o tempo todo fazendo pesquisa de onde pode encontrar uma melhor condição de venda ou um desconto mais interessante antes de fazer sua compra.

 

Posso tornar esse processo simplificado?

Há diferentes estratégias interessantes de precificação de produtos que merecem ser citadas. A técnica de precificação muda conforme fatores como necessidade do negócio, sazonalidade, estoque, fatores climáticos, estação do ano, datas comemorativas, preços da concorrência, etc.

Para tornar mais simples seu entendimento, separamos algumas técnicas diferentes:

  • Markup

Consiste na análise dos custos relacionados a produção, venda, atendimento, distribuição e publicidade de um produto acrescido da margem de lucro que se deseja obter. É a mais simples técnica.

Alternativa para falta de conhecimento de gestão gerencial, e representa um grande risco ao empresário, pois não necessariamente um produto com um markup de 2x representa 50% de lucro no fim da venda.

Muitas vezes é bem menos que isso.

  • Valor percebido

Em produtos e serviços inovadores, as vezes fica complicado estabelecer um preço competitivo. Um exemplo são os aparelhos da Apple, que costumam ser mais altos que os praticados pelos concorrentes.

Mesmo tendo materiais semelhantes, o cliente acostumado a comprar da Apple enxerga mais valor em um smartphone ou tablet da fabricante do que em outros produtos e está disposto a pagar mais por isso, seja por praticidade, status, crença na cultura da empresa etc.

Nesse modelo de precificação de produtos, apelamos para precificar mediante ao preço que o cliente vê baseado no valor que agregamos no produto comercializado.

Quando um produto ou serviço atende as expectativas e necessidades do consumidor, ao satisfazê-lo é possível estabelecer um elo de confiança e uma maior valorização do preço de venda.

Existem diversas formas que o valor percebido pode impactar diretamente o preço de seu produto como: marca, atendimento, bom design, embalagem diferenciada.

Muitas vezes é arriscado pois não necessariamente seu cliente pode aceitar o preço fornecido sem antes sua marca ter a devida notoriedade para justificar o mesmo.

  • Análise da Concorrência

Um modelo muito usado por muitos lojistas é a precificação baseada em concorrência. Identificar o preço do concorrente e equiparar ou praticar um preço inferior.

De todas as práticas de precificação, é a mais arriscada – uma vez que você pode acabar vendendo produtos no prejuízo.

É muito importante, não só na análise de concorrência, mas no markup e valor percebido, aplicar o conceito da próxima técnica: a margem de contribuição.

 

Margem de contribuição para tornar precificação eficiente!

Separamos margem de contribuição das demais técnicas usadas para destacar sua importância no processo como um todo. Ela é a mais recomendada técnica para precificação de produtos.

Ela determina o quanto “sobra”, dentro do custo de venda, após serem descontados custos e despesas variáveis.

A fórmula é Margem de contribuição = Valor de venda – Custos e Despesas variáveis diretas do produto (impostos, comissões, taxas). Portanto, o lucro real da venda do produto.

Flexibilidade. Forme preços com a capacidade de alterar margem em períodos competitivos mas cobrindo custos ainda. Conheça nossa fórmula no Guia Completo de Formação de Preços no Varejo que você pode baixar gratuitamente.

Exemplo: Imagine uma empresa que comercializa seu produto a um preço de venda de R$ 20, com um gasto variável de R$ 9. Como saber a porcentagem e o valor da margem de contribuição?

  1. Preço de Venda Unitário = R$ 20,00
  2. (-) Custo Variável Unitário = R$ 9,00
  3. (=) Margem de Contribuição = R$ 11,00
  4. Índice da Margem de Contribuição: 26,67%

 

Veja como simplificar precificação de produtos

Esqueça planilhas e técnicas que não são eficientes. O Preço Certo é uma plataforma de formação de preços e análise de indicadores financeiros para seu negócio.

Descubra e defina seus preços de maneira competitiva e lucrativa, analisando o impacto deles nos principais indicadores financeiros da sua empresa com nossa plataforma: www.precocerto.co

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *