6 Estratégias para diminuir a necessidade de capital de giro


A necessidade de capital de giro é um dos fatores que mais levam empresas à falência.

No varejo, esse cenário é fatal, 3 a cada 5 empresários possuem algum problema relacionado a esse indicador.

Sintomas como vender e não ver a cor do dinheiro, não conseguir arcar com as obrigações ou até mesmo, não realizar o controle adequado de suas margens podem indicar que algo está errado.

Por conta disso, as estratégias apresentadas neste post vão ser o divisor de águas do seu negócio.

Mas antes, para começarmos a falar de redução da necessidade de capital de giro, precisamos entender o que realmente significa essa métrica, certo?

O que é a Necessidade de Capital de Giro?

A necessidade de capital de giro é a métrica que mede a exposição de caixa da empresa a partir do momento em que você paga o seu fornecedor até o momento em que o recebimento dos clientes entra em conta.

Logo, é um período onde é vital provisionar caixa para manter as operações.

Um outro ponto que podemos explorar sobre a necessidade de capital de giro é reduzir o ciclo de caixa da empresa, ou seja, minimizar os impactos das vendas na conta da empresa.

Para desenvolver o conhecimento mais apurado sobre o assunto, vamos a relação do indicador com o ciclo operacional.

Relação Capital de Giro e Ciclo Operacional

Bom, caso você não saiba o que é o capital de giro, ele é a função de 3 métricas: estoques, contas a pagar e receber.

Dessa forma, podemos verificar quais são os produtos geradores e tomadores de caixa.

A fórmula capital de giro é bem simples, confira:

CG (Capital de Giro) = AC (Ativo Circulante) – PC (Passivo Circulante)

Onde:

AC: Caixa, aplicações, estoques e pagamentos a receber.

PC: Empréstimos, pagamentos a serem realizados e fornecedores.

Com a fórmula, fica mais claro visualizar as 3 métricas, porém fica um pouco difícil calcular o indicador, quando estamos lidando com produtos, concorda?

Afinal, há muitos varejistas que possuem quantidades de SKUs na faixa dos 2/3/4/5 dígitos…

Em casos como esses, plataformas de apuração de indicadores e margens de cada produto (como o Preço Certo) podem lhe economizar não só tempo, mas também uma boa quantia do seu lucro…

Um outro ponto de devo abordar nessa conversa é o ciclo operacional, período que começa com a compra da mercadoria ou matéria-prima, até o recebimento do cliente referente aquela venda.

Ciclo Operacional da venda

Com essa imagem, fica mais nítido visualizarmos onde a necessidade de capital de giro se encontra em meio ao processo.

E com esse conhecimento, podemos começar a entender que alguns problemas relacionados ao capital de giro, como vender e ver a cor do dinheiro, podem simplesmente serem resolvidos com otimizações no seu ciclo operacional.

As estratégias que vou lhe mostrar são não só podem otimizar o seu ciclo financeiro – período que o dinheiro sai para pagar os fornecedores até retornar ao caixa, em forma de lucro.

Vamos ao que interessa!

6 Estratégias para Diminuir essa métrica

Conheça quais são as 6 estratégias capazes de fazer você diminuir a sua necessidade de capital de giro:

  • Pagamento a fornecedores;
  • Recebimento de clientes;
  • Giro de estoque;
  • Gestão de Empréstimos;
  • Controle e Redução de custos;
  • Gestão pelas diretrizes.

Agora, vamos ao desenvolvimento de cada uma delas.

1. Pagamento a fornecedores

Esse é o começo do nosso ciclo financeiro, então eu vou te pedir apenas uma coisa: negocie prazos.

Quanto mais cedo pagarmos um fornecedor, concorda que maior será o nosso ciclo, ou seja, mais rápido o dinheiro vai sair da conta?

Evite descontos muito atrativos para compras em larga escala feitas à vista, sem antes analisar a sua viabilidade.

Na grande maioria das vezes, você não vai conseguir vender toda aquela mercadoria e por consequência, vai ficar com um capital imobilizado em forma de estoque.

DICA: Consiga 1, 2, 15 dias à mais para postergar o pagamento, o seu caixa vai te agradecer.

Para os varejistas que possuem uma relação mais próxima com os seus fornecedores, essa negociação pode gerar prazos mais estendidos e a recomendação para os empresários que não possuem tanta aproximação, a dica é pesquisar.

2. Recebimento de clientes

Lembra que o ciclo financeiro acaba após o lucro entrar em caixa? Esse é o momento.

Quando olhamos o pagamento a fornecedores, buscamos postergar o início do ciclo, fazendo o dinheiro sair mais tarde da conta e para essa estratégia é o oposto.

DICA: Devemos adiantar ao máximo o final do ciclo, buscando formas de fazer com que o dinheiro entre mais rápido em caixa.

Assim, podemos contar com esse capital e por consequência, diminuir a nossa necessidade de capital de giro.

Para reduzir o tempo de recebimento de clientes, você pode:

  • Oferecer descontos para pagamentos à vista, no dinheiro;
  • Estimule pagamentos no débito e via transferência bancária;
  • Adiante recebíveis;
  • Realize vendas à prazo em menos parcelas;

Concorda que um produto com preço de venda de R$1000,00 parcelado em R$250,00 x 4 é mais vantajoso que R$100,00 x 10?

O seu caixa agradece. A lógica é essa, mãos à massa!

3. Otimização de Estoques

Como mencionados ali em cima, estoques muito grandes e com vendas que não mantém a mesma proporção é uma dor de cabeça para o empresário.

No varejo, essa situação pode ser ainda pior, onde as demandas de produtos variam de acordo com a sazonalidade do mercado.

Quando alguém me fala em estoque em excesso, já penso logo em capital imobilizado.

Esse dinheiro poderia estar aplicado, ser revestido em forma de investimentos ou até ser usado no pagamento de dívidas…

Por isso, recomendamos você comprar apenas o estoque necessário, aumente o seu giro de estoque – métrica que relaciona a quantidade de produtos armazenados e a quantidade de produtos vendidos no período.

DICA: Diminua a quantidade de produtos comprados e aumente o número de compras desses produtos.

Havendo dificuldades, você pode conferir o nosso Guia Completo de Gestão de Estoque no Varejo.

Guia completo de gestão de estoque

4. Gestão de Empréstimos

Muitos empresários realizam empréstimos bancários para saldar dívidas com fornecedores e clientes.

Entretanto, recomenda-se cautela, pois ao pedir empréstimos, uma hora você deverá pagá-los de volta.

Com juros e correções – mais despesas…

DICA: Não utilize os empréstimos para quitar os pagamentos atrasados – analise todas as estratégias apresentadas neste post.

Se você busca saber mais sobre o mundo dos empréstimos e como utilizá-los da melhor forma possível, nós criamos esta série de vídeos para te auxiliar!

5. Controle e Redução de custos

Quando não há capital de giro, as despesas financeiras se tornam, normalmente, bastante elevadas.

Para evitar esse cenário, o controle e redução de custos podem ser uma saída.

DICA: Crie estratégias que visem a organização do fluxo de caixa, monte uma planilha e indique: despesas, pagamentos, vendas, fornecedores.

Quando você possui uma visão macro das suas despesas, custos diretos e indiretos, custos fixos… será possível verificar o que pode ser cortado e melhorado.

Muitas das vezes, não possuímos a real noção de quais são os nossos gastos mensais e se o caminho que estamos seguindo é realmente o certo.

A Mult Telas estava nessa situação e hoje, não está mais.

Com tudo isso dito, te convido a conhecer a nossa planilha de custos fixos.

Analise e registre os seus custos fixos

6. Gestão pelas diretrizes

Por último, mas não tão menos importante temos a gestão pelas diretrizes – método que destrincha as metas para todos os níveis da empresa.

Essa estratégia visa compartilhar os objetivos do negócio entre as áreas e fazer com que elas, em conjunto, consigam reduzir a necessidade de capital de giro.

Afinal, a área de compras pode negociar prazos. Os responsáveis comerciais, podem reduzir a negociar melhores formas de recebimento. A qualidade pode analisar o estoque.

DICA: Para cada objetivo dentro do negócio, procure envolver uma área específica dentro da empresa e delegar.

Conclusão

Reduzir a necessidade de capital de giro será fundamental para a manutenção e crescimento do empreendimento.

Independentemente da(s) estratégia(s) adota(s), procure analisar e apurar todas as ações realizadas e os resultados obtidos.

Assim, os seus indicadores estarão sempre controlados.

Chegamos ao final do post e com isso, aproveite também para garantir a sua calculadora de capital de giro e começar as otimizações.

Calcule a sua necessidade de capital de giro

 

 

Conteúdos Relacionados com Indicadores

Veja 5 indicadores essenciais para gestão do estoque

Lucro e Fluxo de Caixa: Qual a relação com mortalidade de empresas?

Contas atrasadas? Saiba como organizar contas a pagar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.